Após dois adiamentos, parece que finalmente o Brasil irá adotar as placas de veículos com padrão dos países do Mercosul.

A resolução n.º 729 publicada nesta quinta-feira (8) no Diário Oficial da União pelo Departamento Nacional de Trânsito define que a mudança começa em 1.º de setembro deste ano.

O novo sistema de identificação será adotado primeiro nos modelos zero quilômetro, ou no caso da transferência de propriedade ou de local de emplacamento, enquanto que os usados terão o prazo até 31 de dezembro de 2023 para se adequarem à nova legislação.

O modelo padrão já é usada na Argentina e no Uruguai e segue o estilo visto na União Europeia. Há uma tarja azul, a bandeira do Brasil e uma combinação de letras e números.

A placa contará ainda com um chip e um código (QR Code) para facilitar a identificação dos veículos roubados ou clonados nos países do Mercosul. Os custos deverão ser os mesmos dos patamares atuais para colocação e troca de placas: de R$ 120 a R$ 200, conforme o estado.

A nova placa foi apresentada em 2014, com previsão de estrear no Brasil em janeiro de 2016. Porém foi adiada duas vezes, primeiro para 2017 e depois sem prazo definido.

A identificação contará com sete caracteres, sendo quatro letras e três números. Com isso, serão possíveis mais de 450 milhões de combinações diferentes. O estilo atual com três letras e quatro números foi adotado nos anos 1990 e poderia durar pelo menos até 2030. São mais de 175 milhões de possibilidades de combinação em nosso país.