Um homem de 50 anos foi morto a tiros dentro de uma fábrica de compensados em Reserva do Iguaçu. O crime ocorreu na noite de segunda feira (15 de outubro), mas somente foi divulgado na manhã de hoje (17) pela Polícia Militar.

De acordo com o Boletim de Ocorrências, Francisco dos Santos, de 50 anos, que era eletricista, estava verificando um problema no painel da prensa da fábrica. Ele chegou ao local por 19h. Já por volta das 20h30, um funcionário da fábrica disse que foi verificar o nível da caixa d’água da caldeira e visualizou de longe o pé de um homem descalço e de calção sentado próximo ao poço da prensa. Achando que era o eletricista, retornou para a caldeira.

Mais tarde, o mesmo funcionário desceu tomar água no bebedouro ao lado do painel da prensa, onde ele viu somente uma botina em frente ao painel, e retornou para a caldeira, onde comentou com o companheiro de trabalho a situação. Os dois, achando estranha a situação, retornaram até a prensa, onde encontraram o eletricista caído dentro do poço, que fica ao lado da máquina. A vítima estava inconsciente, mas com vida ainda. Por acharem que ele havia tomado uma descarga elétrica acionaram somente o posto de saúde do município, onde compareceram a enfermeira e o motorista da ambulância, que conduziram a vítima até o hospital de Candói.

O empresário ajudou a retirar a vítima de dentro do poço. Quando a enfermeira retirou a calça do eletricista, verificaram que havia uma perfuração perto do umbigo e outra nas costas.

Na manhã de ontem (16), o empresário e seus funcionários, após comentarem o ocorrido, começaram a achar estranho as perfurações no corpo da vítima, pois no poço não tem nenhum ferro que poderia ter causado as lesões. Ao averiguarem nas proximidades do local, localizaram alguns estojos de arma de fogo próximo a uma janela, a uns 17 metros do painel onde a vítima estava trabalhando.

A Polícia Militar foi acionada e o corpo encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) de Guarapuava, onde o legista relatou que a vítima tinha seis perfurações de arma de fogo em seu corpo.

Diante do fato, entrado em contato com o investigador da Polícia Civil de Pinhão, o qual pediu para a equipe ir ao local recolher as cápsulas e tirar fotos. Foram encontrados sete estojos deflagrados de arma de fogo de calibre 22, dois projéteis inteiros e três estilhaços de projéteis, os quais foram entregues na Delegacia de Pinhão.

O caso está sendo investigado.