Uma jovem foi presa nesta quarta-feira (30) e confessou ser a mandante do crime que vitimou a própria avó, de 67 anos, no dia 31 de julho deste ano, no bairro Tatuquara. No início, o caso chegou a ser tratado como latrocínio, já que a casa foi encontrada revirada e alguns pertences da vítima foram roubados.

Durante as investigações, a equipe da Delegacia de Furtos e Roubos (DFR) ouviu familiares, vizinhos e a neta da vítima, de 18 anos, e aos poucos o crime passou a ser atribuído à jovem. “Diversas circunstâncias nos levaram a desconfiar da própria neta. A casa estava aberta quando a jovem teria saído para tomar um lanche, ela [neta] foi a primeira que encontrou o corpo da avó já morta, alguns bens que foram levados foram encontrados posteriormente na bolsa da neta”, explicou o delegado responsável pelo caso, Emmanoel David.

A jovem estava morando com a avó há apenas 30 dias quando cometeu o crime, e estava usando o cartão de crédito da vítima para comprar itens como gasolina e produtos para narguilé. “Ao que tudo indica, possivelmente aconteceu uma discussão entre a neta e a avó, e acabou acontecendo não o latrocínio, mas sim um homicídio”, disse. A suspeita foi presa temporariamente nesta quinta-feira, após um mandado expedido pela 9ª Vara Criminal e, em depoimento, confessou ser a mandante do crime.

“Ela [suspeita] confessou que contratou um elemento para praticar o crime por R$ 3 mil. Ela foi fria, dizendo detalhes do fato e ainda falou que pediu para que o executor não machucasse sua vó, que a morte fosse rápida”, contou o delegado, relatando que a jovem, que é pensionista, pagaria o serviço de forma parcelada.

O autor do crime já foi identificado e teria sido indicado por um amigo da suspeita, que deve responder por homicídio qualificado por recurso que dificultou a defesa da vítima – já que foi esganada – e por motivo torpe.