Comunidades indígenas do Sul do país, especialmente da etnia Kaingang, estão revivendo nesta segunda-feira(29) os 38 anos da morte do seu líder Cacique Angelo Kretã, que viveu na Terra Indígena de Mangueirinha, Sudoeste do Paraná.Nesta segunda-feira(29) atuais lideranças da TI de Mangueirinha enviaram à imprensa o manifesto na data que consideram Dia de Luta e Resistência dos Povos Indígenas da Região Sul.

Foi um dos principais articuladores do movimento pela retomada das terras indígenas no sul do Brasil na década de 1970, tendo sido o primeiro vereador indígena eleito do país, em 1976. Ângelo dos Santos Souza Cretã, abriu a possibilidade de que outros indígenas participassem das disputas eleitorais, com destaque para o cacique Xavante Mário Juruna em 1978, o único índio (a conquistar uma vaga como deputado federal no Brasil, sendo eleito pelo Rio de Janeiro.

Considerado uma das principais lideranças étnicas do Brasil, morreu no ano de 1980 em um acidente de carro, numa estrada no interior da aldeia, fato contestado até os dias atuais. Até mesmo uma edição Globo Repórter Especial foi produzido para retratar a comoção que foi a morte de Angelo Kretã.

Nesta segunda-feira(29) atuais lideranças da TI de Mangueirinha enviaram à imprensa o manifesto:

” ANGELO KRETÃ viverá para sempre na alma dos guerreiros 29 de janeiro – dia de luta e resistência dos Povos Indígenas do Sul. Muitos guerreiros e guerreiras são lembrados pelas suas lutas e por seu heroísmo, muitos deram suas vidas por uma nação, por um povo, por uma comunidade ou por uma causa. Líderes que colocaram suas próprias vidas acima de tudo pelo bem das outras pessoas. Algumas datas ficaram eternizadas e hoje faz parte de calendários, onde são lembrados e que reavivam no coração de muitos os pensamentos e ideais para um mundo sem injustiças, sem discriminação, sem intolerância. Nossos heróis deixaram um legado para que continuemos levantando a bandeira e continuemos defendendo uma causa, até a morte, se possível.

Nós, Povos Indígenas há centenas de anos centenas de líderes também tombaram deixando exemplo de resistência, no entanto, a sociedade tem reconhecido muito pouco os mártires indígenas que deram suas vidas, derramaram seus sangues para que pudéssemos estarmos hoje ainda nesta caminhada. A resistência e movimento indígena tem uma motivação e objetivos originados por muitas perseguições, violências e enfrentamentos desde a chegada dos europeus nesta terra. Infelizmente até mesmo entre os Povos Indígenas não paramos para pensar em nossos heróis e não analisamos a vida de muitos líderes que já não estão mais entre nós.Neste dia 29 de janeiro há 38 anos atrás um grande guerreiro tombou em plena luta, numa importante causa que hoje é uma das nossas principais bandeiras de luta, a luta e defesa nos nossos territórios.

Angelo Kretã, fez um grande levante no sul do país, iniciando uma das maiores mobilizações para reagir contra o estado, que vinha oprimindo e violando nossos direitos em relação ao esbulho das nossas terras, que vinha ameaçando o futuro dos Povos Indígenas e que estava entregando nossas vidas namão de quem queria extinguir nossa presença aqui no sul.

Kretã começou a fortalecer cada vez mais a resistência e passou a ser uma ameaça ao estado brasileiro e aos seus objetivos, que levou a sua perseguição e infelizmente ao seu assassinato no estado do Paraná, dentro da sua própria terra em Mangueirinha.

Um grande líder, um grande exemplo. Não queremos comemorar sua morte, porque jamais queremos ver nossos líderes perdendo suas vidas por causa da luta, mas queremos que seja lembrado sua força,sua visão de futuro, seu ideal, sua resistência.

Queremos que esta data seja lembrada, não apenas como o dia de Angelo Kretã, mas um dia que represente nos nossos corações, nos nossos sentimentos e no nosso espírito para continuarmos nesse caminho como verdadeiros guerreiros.29 de janeiro

DIA DE LUTA E RESISTENCIA DOS POVOS INDÍGENAS DA REGIÃO SUL em nome de nosso grande líder ÃNGELO KRETÃ até a última gota de sangue de correr em nossas veias. Que muitos ANGELOS KRETÃ se levantem.”