Um casal adotou 88 crianças com necessidades especiais ao longo das últimas quatro décadas, na Geórgia, nos Estados Unidos. Mike e Camille Gerardi são da cidade de Ellijay. Eles se conheceram em 1973 no Hospital da Criança de Miami, na Flórida, onde Camille trabalhou como enfermeira e Mike como pediatra. Juntos, resolveram ajudar as crianças que lá eram deixadas por causa de doenças ou deficiências.

Camille e Mike decidiram se casar, em 1975. Assim que o pedido foi feito, a enfermeira contou ao noivo o que sonhava.

Mike e Camille tiveram duas filhas, Renae e Jaclyn. A primeira adoção aconteceu em 1986. No total, 17 crianças diagnosticadas com síndrome de Down, síndrome de Zellwegger, com deformações no crânio, deficiências de desenvolvimento, autismo, lesões e outros distúrbios críticos, foram levadas para o lar do casal. Muitas delas, tiveram doenças terminais. “As crianças que eu levei eram desacreditadas. Mas muitos deles sobreviveram”, contou Camille.

Logo depois, o casal criou a ‘Fundação Possível Sonho’, que ajuda crianças deficientes e suas famílias desde educação até o treinamento profissional. Com a criação da fundação, o casal ainda contratou dois funcionários para complementar a ajuda de voluntários.

Em 2016, o casal já havia adotado ou se tornado tutores legais de 88 crianças ao longo dos anos. Trinta e um sobreviveram. Além da luta diária com as crianças e a tentativa de proporcionar tudo o que eles precisavam, Mike e Camille ainda passaram por dificuldades maiores. Em 1992, eles perderam a casa onde moravam, na Carolina do Norte, após o imóvel ser atingido por raios, durante um furacão. No ano passado, a família enfrentou uma de suas maiores perdas. Mikee faleceu após ser diagnosticado com um câncer agressivo, um dia depois de seu aniversário de 73 anos.

“Eu não podia chorar ou meus filhos também iriam ficar para baixo”, disse Camille. Em uma entrevista concedida por ele ao jornal ‘Miami Herald’, em 1991, e resgatada em seu obituário, o médico falou sobre as adoções.

Atualmente, Camille ainda está comprometida com a causa. Na casa dela, na Geórgia, ainda moram 20 filhos. Os demais atingiram a vida adulta, trabalham e construíram suas famílias.