“Com emoção e êxtase nos pênaltis, Atlético é campeão da Sul-Americana”

30

“O Atlético-PR é o campeão da Copa Sul-Americana 2018! Foi sofrido, emocionante, angustiante. Mas o “time de guerra” do Furacão levantou a taça em uma noite histórica na noite desta quarta-feira (12) na Arena da Baixada. Somente nos pênaltis o Furacão venceu o Junior Barranquilla, da Colômbia, por 4 a 3, depois de empatar por 1 a 1 no tempo normal.

“Desta forma, o Rubro-Negro conquista seu primeiro título internacional de grande porte.Pablo marcou no primeiro tempo para o Atlético e Téo Gutierrez empatou na etapa final para o Junior. Na prorrogação, os colombianos ainda perderam uma penalidade com o meia Jarlan Barrera.

Na decisão por pênaltis, o Atlético acertou as cobranças. Jonathan, Raphael Veiga, Bergson e Thiago Heleno. Renan Lodi chutou para fora Já o Junior Fuentes estourou a bola na trave na segunda cobrança e Téo Gutierrez isolou a quarta cobrança.”

“A final histórica também marcou a quebra do recorde de público da Arena da Baixada com 40.263 no total (renda de R$ 2.084.560,00). A marca pertencia ao Paraná que havia colocado o total de 39.414 torcedores no estádio.Para ser campeão, o Furacão despachou Newell’s Old Boys, da Argentina, Peñarol, do Uruguai, Caracas, da Venezuela, Bahia, Fluminense, além do Junior Barranquilla.

Em 12 jogos, a campanha impecável foi construída com oito vitórias, dois empate e duas derrotas. Foram 21 gols marcados e apenas sete sofridos.Sem contar a renda, o Atlético embolsou o total de US$ 4,425 milhões (R$ 17 milhões). Somente pela final, entraram nos cofres US$ 2,5 milhões (R$ 9,7 milhões).

Com o título, o Atlético também garante um calendário internacional de relevância para 2019. Vaga na fase de grupos da Libertadores, decisão da Recopa Sul-Americana contra o River Plate (jogos em 20/2 e 6/3) e participação na Copa Suruga, que será disputada no Japão em agosto.O Rubro-Negro é o quarto campeão brasileiro do mata-mata continental criado em 2002. Antes o Internacional (2008), São Paulo (2012) e Chapecoense (2016) já haviam levantado a taça.

Noite histórica, para coroar a temporada que ficará gravada na memória da torcida atleticana, o Furacão cumpriu o que prometeu no início do jogo e jogou ao melhor ‘estilo Tiago Nunes’. Pressão no início, verticalidade e tabelas rápidas. Embalado pelo show das arquibancadas, o Rubro-Negro amassou o adversário até abrir o placar.

Pablo e Raphael Veiga, os dois principais jogadores de frente no ano, tabelaram e o artilheiro fez o gol que explodiu o estádio aos 26 minutos do primeiro tempo. Foi o 18º gol de Pablo na temporada, o quinto na Sul-Americana – ele termina o torneio como goleador ao lado de Benedetti, do Deportivo Cali.Mas Atlético recuou e deixou o Junior crescer – e se agigantar. Os adversários mostraram o porquê são finalistas da liga local e estão próximos de serem campeões colombianos.

O atacante Téo Gutierrez, ídolo da torcida dos Tiburones, empatou aos 12 minutos da etapa final. O próprio teve a chance de virar, assim como o ponta Luís Díaz.Na prorrogação, foi lá e cá. Rony desperdiçou para os mandantes. Téo tentou de bicicleta. Até que o Junior teve um pênalti aos 21 minutos. O meia Jarlan Barrera isolou a batida e reascendeu o Caldeirão antes do teste definitivo para o coração dos atleticanos nas penalidades.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here