Pelo quarto ano seguido o Paraná adere à Campanha Coração Azul, em conscientização e combate ao tráfico de pessoas. Mundialmente, a Campanha Coração Azul é organizada pela ONU, que estima a existência de 2,5 milhões de pessoas em situação de tráfico humano no mundo.

Aqui no Estado, a campanha é coordenada pelo Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Estado do Paraná, órgão vinculado à Secretaria da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos (Seju). “Nosso Estado, por abrigar a fronteira mais movimentada do Brasil, precisa falar ainda mais sobre o assunto e alertar que o tráfico de pessoas é real. Só este ano, recebemos 72 denúncias de suspeita de tráfico humano”, explica o secretário da Justiça, Trabalho e Direitos Humanos, Artagão Júnior.

Na próxima semana, entre os dias entre os dias 24 e 29 de julho, várias ações serão realizadas para fomentar a discussão do assunto aqui no Paraná.

PROGRAMAÇÃO

No dia 24, segunda feira, será a abertura do Seminário “Tráfico de Pessoas e Contrabando de Migrantes”, evento realizado pela Seju, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal e o Ministério Público do Trabalho (mais informações sobre o Seminário e inscrições, clique aqui).

No dia 26, o tráfico de pessoas vai ser o assunto debatido no Seminário Internacional da Tríplice Fronteira, realizado pela Unioeste, em Foz do Iguaçu.

No dia 27, quarta feira, uma grande ação vai movimentar o Aeroporto Afonso Pena, em Curitiba. “Modelos vão interpretar diversas situações que fazem parte do aliciamento, que acaba resultando no tráfico de pessoas. A ideia é realmente fazer com que as pessoas comentem, falem sobre o assunto, só assim poderemos prevenir casos futuros” conta Silvia Xavier, diretora do Núcleo de Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas do Paraná.

Durante a Semana Nacional de Mobilização de Combate ao Tráfico de Pessoas, que faz parte da Campanha Coração Azul, vários monumentos, prédios históricos e governamentais do Paraná serão iluminados de azul . É o caso do Palácio Iguaçu e da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba, e da Usina Hidrelétrica de Itaipu, em Foz do Iguaçu.

Tráfico de pessoas existe e não é coisa de novela (Imagem: Divulgação)