Com votos dos três desembargadores, o ex-presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva foi condenado em segunda instância, no TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, acusado de receber o apartamento tríplex no Bairro Guarujá em São Paulo como propina.

O último voto foi do desembargador Victor Laus, que também seguiu o voto do relator João Pedro Gebran Neto. O relator aumentou a pena de Lula para 12 anos e um mês, sendo que o juiz Sérgio Moro havia estabelecido a pena em 9 anos e seis meses.

Laus entendeu que há provas de Lula é o dono do apartamento. “Existe um grupo de provas sobre o fato de que foi ocultado pelo casal Lula a propriedade dessa unidade habitacional. Essas são provas documentais”, diz. “Temos ainda as provas testemunhais”, complementa o desembargador.

O revisor do processo, Leandro Paulsen, também votou favorável à condenação.