AGRICULTURA

Cresol - Como planejar a nova safra

10 de agosto de 2019

Atualmente a vida no campo, no que diz respeito a produção, é bastante diferente de como era antigamente. O espaço rural hoje sustenta grande parte da sociedade. É o lugar onde se exerce uma função extremamente importante na geração de alimento e riqueza social.


Por isso, e também levando em consideração as mudanças de cada época, torna-se necessário que os agricultores conheçam mais e melhor sobre suas propriedades e aquilo que produzem. Quais são as melhores formas de produzir e, consequentemente, como podem gerar maior riqueza a partir de suas lavouras.  


Você agricultor costuma fazer o planejamento da safra antes de começar o plantio?


Neste artigo vamos mostrar a importância fazer o planejamento para a nova safra.


O que o agricultor deve levar em conta na hora de planejar a nova safra?


O planejamento da safra envolve muito mais do que a atenção ao período de plantio e período de colheita.


O planejamento auxilia na determinação de margens de risco, calcula a média estimada de lucro e projeta os custos envolvido no desenvolvimento da plantação.


É verdade que o agricultor precisa conhecer a sua terra para fazer um bom trabalho na hora de produzir. Mas também deve entender as finanças que estão atreladas a produção agrícola.


Neste sentido, é importante que o agricultor tenha em mente quais são os gastos atrelados à produção e consiga determinar uma previsão do lucro que pretende alcançar com a safra em questão. E se achar necessário, deve levar em conta a utilização de Linhas de crédito, tais como as propostas pelo Pronaf.


Planejar a nova safra, considerando as metas que pretende alcançar e consciente dos recursos que dispõe dão mais segurança ao agricultor. Tanto no que diz respeito ao capital de que dispõe quanto para minimizar os risco de endividamentos e prejuízos.


Tenha em mente que o sucesso financeiro da sua atividade agrícola é reflexo do planejamento que fez para ela.


O planejamento financeiro


Investimento e retorno, essa é a prática que norteia a atividade agrícola. É por isso que é tão importante que o agricultor se organize e planeje a sua safra.


A primeira pergunta que o agricultor deve fazer é: Quanto vou gastar para conquistar a safra ideal?


Para isso, deve ter atenção aos limites físicos da propriedade e quanto pode ser produzido naquele espaço. No cálculo, entre outras coisas, devem estar descritos os gastos com máquinas, insumos e mão de obra.


E se for necessário utilizar como recurso o crédito rural?


Programas de Crédito Rural


A utilização de Linhas de crédito por parte do trabalhador rural é um caminho que se abre para facilitar a produção e dar uma condição melhor as famílias de agricultores durante o período de investimento do plantio.


Existem diversos programas, com requisitos e objetivos específicos, que pretendem ajudar desde o pequeno e médio agricultor, até programas de incentivo a mulheres e jovens agricultores e programas voltados ao desenvolvimento da produção orgânica e de baixo impacto ambiental.


Há, ainda, as Linhas de crédito destinadas às propriedades de grande porte, com custos de produção mais altos e compra de maquinário.


Saiba um pouco sobre o Pronaf: 


Auxílio do pequeno agricultor através do Pronaf


O Crédito Rural é uma modalidade de financiamento que tem por objetivo auxiliar os trabalhadores rurais, associações e cooperativas que exerçam atividades agropecuárias.


Existem três modalidade de crédito rural:



  1. Os créditos de custeio são aqueles que serão utilizados para cobrir despesas dos ciclos produtivos, como a compra de insumos ou custos com a fase de colheita;

  2. Os créditos de investimento são aqueles feitos em serviços ou bens duráveis, que trarão retorno ao longo de muitos anos;

  3. Por fim, os créditos de  comercialização servem para bancar os custos após a colheita, como por exemplo o armazenamento nos períodos de quedas de preços.


Entre tantos programas de Linhas de crédito disponíveis, talvez o mais conhecido seja o Pronaf – Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. Esse recurso dispõe de microcréditos que podem ser utilizados por agricultores familiares e assentados pela reforma agrária.


Através deste programa o agricultor recebe o recurso para desenvolver a sua atividade rural com uma taxa de juros inferior ao que se pratica no mercado bancário.


Planejando a produção


O planejamento de produção da safra pede por um visão estratégica do negócio.


O agricultor, ao desenvolver este estudo deve ter em mente como foi o desenvolvimento das safras de anos passados e conhecer as oscilações do mercado. Assim como também precisa saber qual é a expectativa do mercado para a safra atual. A partir daí será necessário estabelecer metas e objetivos.


Em seguida, é importante conhecer claramente as necessidades e possibilidades da propriedade. Tais como as condições do solo, os equipamentos disponíveis e a mão de obra necessária.


Se possível, e para ter maior segurança quanto a safra futura, opte por fazer análise técnica e análise de riscos. Ao contrário do que se acredita, riscos não englobam apenas ameaças, mas sim qualquer incerteza que possa afetar o resultado final da safra, incluindo
oportunidades.


Desta forma, você agricultor vai conseguir visualizar quais são as melhores oportunidades de produção e quais os fatores que deve dar atenção redobrada.


Por fim, no planejamento estratégico deve ser feita uma estruturação de todas as atividades que envolvem a cadeia produtiva e como cada uma delas será feita, incluindo quem serão os responsáveis por elas e quais serão os seus custos.


De olho no mercado


Outro ponto que pede atenção durante o planejamento da safra diz respeito a como o mercado está se movimentando.


Aqui o agricultor tem que observar o momento certo para fazer a venda do produto e as variações de preços. Deve-se levar em conta os gastos com a compra de insumos usados durante o plantio. Isso é parte do que se chama planejamento mercadológico. E na hora de desenvolvê-lo lembre-se também do fator de sazonalidade.


Além disso, quando o assunto é produzir, conhecer as diferenças de culturas de produção é parte do que deve ser entendido. Assim fazendo será mais fácil determinar os riscos e as vantagens de cada uma delas.


Mas não é só isso. É preciso também reconhecer as características do solo e do clima, para poder então optar por plantios que se adaptam melhor ao local da lavoura, o desenvolvimento da análise de mercado pode ajudar na hora de escolher o melhor plantio e optar por produtos que tendem a gerar um lucro maior durante o momento da venda.


A análise de mercado ainda leva em conta os gastos de produção de culturas. Havendo maiores despesas com insumos e instrumentos. De modo que, através da análise de mercado pode-se determinar a viabilidade entre lucro alto e gastos de produção. Afinal, alguns tipos de plantios parecem ter uma alta lucratividade, no entanto exigem investimentos também altos com implementos e manutenção.


Neste sentido, o que um bom planejamento faz é equilibrar lucratividade e gastos. E assim o agricultor tem chances melhores de produzir, porque pode fazer com mais segurança e menor risco de prejuízo.


Chegou a hora da colheita


Depois de tanto trabalho, de meses de espera e cuidado com a planta. É chegado o momento de colheita da nova safra.


O trabalhador do campo, além de olhar para o céu e torcer para que nos próximos dias pare de chover e o clima esteja propício para colher deve se organizar para essa última fase não se resuma a perdas ou prejuízos.


Para que isso não ocorra é necessário planejar este fase final da safra. E aqui duas coisas devem estar bem estruturadas:



  • Operacionalização da colheita;

  • Armazenamento.


A lavoura tem o seu próprio tempo e existe um ponto ideal para a colheita. Antecipá-la ou atrasá-la pode implicar em perdas ou prejuízos.


Quando a data estimada estiver próxima o agricultor deve ficar ainda mais atento a plantação, observando-a diariamente. Assim, conseguirá determinar melhor o tempo para fazer a colheita.


Chegado o momento, faça todas as revisões necessárias no maquinário, adaptando-os a cultura que será colhida. Tenha atenção a funcionalidade dos equipamentos para não perder o tempo da colheita com falhas mecânicas.


Com a máquina em campo siga o trajeto e mantenha velocidade regular. A boa prática durante a colheita implicará numa perda mínima por amassamento. E lembre-se sempre de regular o vento nas peneiras para limpar o produto com eficácia.


Quanto ao armazenamento, antes de começar a colher procure informações sobre disponibilidade de silos onde possa armazenar a safra. É muito importante que o produto colhido possa ser mantido nos locais adequados.


Então, está pronto para fazer o planejamento da nova safra?


A Cresol desenvolveu este conteúdo para ajudar o trabalhador do campo a ter uma safra mais próspera e alcançar uma qualidade de vida melhorcom aquilo que produz. Agora que você já sabe como planejar a próxima safra, talvez precise de ajuda para impulsionar sua colheita! Por isso, acesse nosso site e conheça todas as linhas de Crédito Rural!


Junto com a Cresol você pode realizar muito mais.


Contato Comercial - (42) 9 8821-4782 / limalorival86@gmail.com
PB Agência Web