ESPORTES

Por dinheiro da TV, times querem Brasileirão com 38 rodadas mesmo com fim em 2021

23 de abril de 2020

Divulgada em fevereiro, a tabela do Brasileirão previa o início da competição no primeiro fim de semana de maio. Essa programação já não faz mais sentido em um cenário de paralisação do futebol nacional em função da pandemia do coronavírus, mas não há dúvidas de que o regulamento será mantido, com a disputa de 38 rodadas. E o fortalecimento dessa posição tem motivação especialmente financeira.






O presidente do Coritiba, Samir Namur, disse à Banda B no mês passado que o clube é 'totalmente contra' uma mudança de regulamento, principalmente porque as atuais 38 rodadas são garantia de uma rende maior ao time do Alto da Glória.


"Se os contratos de TV forem afetados, o Coritiba terá grandes prejuízos, pois todo mundo sabe que essa é a maior renda de um clube de futebol. Então, neste momento, a discussão principal deve ser sobre o calendário. Um eventual retorno do Paranaense não poderá afetar as datas do Brasileirão. O Coritiba é completamente contra a mudança do regulamento do campeonato nacional. O Brasileiro deve ter as 38 rodadas e isso é inegociável", afirmou o dirigente.


Presidente do Paraná, Leonardo Oliveira concorda com a opinião do rival. Ele destaca que a fórmula de pontos corridos, disputada de 2003, já está aceita pelo futebol brasileiro. "Seria um retrocesso retornar ao mata-mata e algo que não faria nenhum sentido. Esse foi um avanço que tivemos na manutenção da fórmula e já conseguimos implementar uma cultura", analisa o paranista.


A reportagem do jornal Estado de S. Paulo consultou todos os 20 clubes participantes do Brasileirão e a postura deles é unânime para que o sistema de pontos corridos, implementado em 2003, seja mantido na próxima edição, ainda que a temporada seja encerrada no começo de 2021. É, inclusive, a mesma conduta adotada pela CBF. "A gente descarta completamente o mata-mata ou o modelo europeu", avisa o secretário-geral Walter Feldman.


Essa possibilidade de fim tardio foi fator fundamental a levar os clubes a concederem férias aos elencos em abril, decisão ampliada na última semana, quando os 40 times das séries A e B deram mais dez dias de recesso aos jogadores - o período inicial era de 20 -, com a retomada das atividades previstas apenas para maio.


O apego dos clubes ao regulamento tem razão além da meramente esportiva. Afinal, em um cenário de perda de receitas com bilheterias, patrocinadores e programas de sócio-torcedor, cresce em importância o valor a ser auferido com o contrato pelos direitos de transmissão. Reduzir o Brasileirão a menos do que as 38 rodadas previstas significaria renegociação e diminuição dos ganhos com um acordo que sempre foi importante para as finanças dos clubes e agora se torna ainda mais fundamental.


"O campeonato tem de ser no formato original, até porque devemos ter uma queda de receita muito grande em relação a público, talvez com jogos com portões fechados no início do campeonato. É importantíssimo que tenhamos o dinheiro da televisão. E ela já sinalizou que pode fazer uma redução proporcional do valor a ser pago caso o campeonato não seja disputado em 38 rodadas", afirma Sérgio Sette Câmara, presidente do Atlético-MG.


O problema é que para o Brasileirão ser reajustado ao calendário, outras mudanças serão necessárias. Quando o futebol nacional parou, os campeonatos estaduais e regionais, caso da Copa do Nordeste, ainda estavam em disputa, assim como a Copa do Brasil, a Copa Libertadores e a Sul-Americana.


Mudar o formato de disputa dos Estaduais seria a mais óbvia. E embora a ideia principal seja concluir as disputas, que deverão ser retomadas assim que houver condições seguras, até por demandar deslocamentos menores, alguns times defendem alterações caso esses torneios prejudiquem o Brasileirão em turno e returno


Mas a posição majoritária entre os clubes é de que os estaduais sejam finalizados dentro de campo, ainda que com alguns pequenos ajustes em seu regulamento. "Sou a favor de que os campeonatos estaduais concluam no formato atual, no caso da Copa do Nordeste, também. O máximo que poderia acontecer de mudança seria reduzir uma data e fazer final em jogo único em função de calendário", diz Marcelo Paz, presidente do Fortaleza.


Assim, com pretensão de não reduzir drasticamente os jogos, uma tendência pode ser espremê-los no calendário, diante do tempo perdido das últimas semanas. Há, porém, limitações para isso, como a determinação que exige um espaçamento de 66 horas entre uma partida e outra. Os clubes que aceitam a redução desse prazo ressaltam que isso só será possível com a anuência de autoridades médicas e dos próprios jogadores.


O presidente da Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf), Felipe Augusto Leite, já sinalizou a possibilidade de diminuição desse intervalo entre jogos. A CBF vê a possibilidade como real, um "instrumento excepcional" para ser usado em um "momento excepcional", como argumenta Feldman.


"Vamos usar todos os instrumentos para terminar em dezembro. Mas quando a gente estende as férias, significa que talvez tenhamos de jogar depois do réveillon, se for necessário, para acomodar as datas. Com aval, você pode reduzir o tempo porque os elencos não são só de 11 jogadores", acrescenta.


Porém, muitos clubes veem essa possibilidade com reticência, especialmente pelo aspecto da logística. "Para o Sport, que é do Recife, isso é uma loucura. Somos uma das equipes mais distantes do Sul e do Sudeste. Seria extremamente prejudicial encurtar o tempo entre os jogos. Teríamos que fazer uma logística de deslocamento absurda, com tempo de descanso mínimo para os jogadores. Seríamos muito prejudicados, isso não seria bom", argumenta Lucas Drubscky, executivo de futebol do Sport.


Há também a preocupação que essa medida extrema aumente a disparidade entre os clubes, favorecendo os que possuem elencos mais numerosos e qualificados. "Acredito que culturalmente os nossos atletas não estão acostumados a isso e eu entendo como sendo uma atitude totalmente 'antifisiológica', por ser um intervalo muito curto para um desgaste muito grandes que os atletas têm durante os jogos. É uma atitude antidesportiva e alguns clubes de maior elenco poderiam ser beneficiados", avalia Marcelo Almeida, presidente do Goiás.


FONTE: Banda B com informações de Estadão Conteúdo 






----------------------

PB Agência Web